domingo, 6 de novembro de 2016

Estar Sozinha



"Aos 40 anos, não compreendo esse medo de ficar sozinho que me inquietava ainda aos 33. Ficamos sozinhos quando somos exigentes. Ficamos sozinhos quando não mentimos. Ficamos sozinhos quando defendemos as nossas convicções. É um preço que estou disposto a pagar. E há, digamos, dez pessoas de quem gosto, dez pessoas sobre quem não me enganei, e dez pessoas é um mundo." (Pedro Mexia)

Pedro Mexia é um autor português que escreve crônicas maravilhosas. Acho que o conheci por indicação do Xico Sá. Esse frase em epígrafe, cabe demais em mim. Só mudaria a idade, pois compreendi melhor a solidão a partir dos 50. Adoro estar com amigos. Meu programa preferido é estar com eles, conversar até cansar a língua. Pra falar a verdade acho que nunca a senti cansada. E com um vinho então...
Porém ficar só é também um grande programa. Ler, desenhar, escrever, cozinhar, tomar um vinho, ver um filme, tudo só comigo é de um prazer, até difícil de descrever.  
Estou pensando muito nisso hoje, pois não tenho mais a presença física dos meus pais e meu filho que mora comigo viajou. Sei que alguns pensam que quando eu ficar só de forma definitiva irei sofrer, sentir saudades, etc, mas não concordo. Criei meus filhos para enfrentarem o mundo e serem felizes com suas escolhas. Fico feliz e orgulhosa quando os vejo apaixonados, trabalhando, estudando, e principalmente com planos de voos solos. Quero participar de tudo, comemorando cada conquista, mas com amor e respeito pela vida de cada um. Mas claro, com uns pitacos de vez em quando, pois “só as mães são felizes”! Podemos tudo!
A vida é muita coisa, pra gente precisar de alguém para estar bem. Aliás tenho uma teoria, que no dia que as mulheres nascerem sabendo que podem ser felizes casando ou não, essa mudança terá o mesmo impacto no mundo que uma terceira guerra mundial. Mas calma gente, é só uma teoria. Falarei sobre isso noutro post.
Voltando ao assunto de ficarmos bem sozinhos, confesso a vocês, é libertador. Vivermos de acordo com nossas convicções sem falsetes, sem cenas, sem fingimentos. Não quero ter por perto gente preconceituosa, que vota em bolsonaros, intolerante com religiões que não a sua e por ai vai. Prefiro milhões de vezes estar só!
Mas esse texto não é uma apologia à solidão. Estar junto de quem admiramos é felicidade pura. Não gosto de viajar sozinha, e adoro criar encontros na minha casa. E hoje, confesso, não estou assim tão só. Tem duas meninas aqui do meu lado prestando atenção em tudo que faço, apaixonadas loucamente por mim e eu por elas!






4 comentários:

  1. Adorei! Estar só é diferente estar solitário. Você pode até estar só em alguns momentos, mas nunca estará na solidão. Beijo

    ResponderExcluir
  2. Querida Rita,
    adorei seu artigo e a provocação que ele traz.
    Solidão feliz é especiaria para poucos. Pensar nisso é outro grande desafio.

    ResponderExcluir
  3. Amiga me vi escrevendo esse texto, tão verdadeiro ele está na minha cabeça e no meu coração, tenho o Sama de companhia, mas concordo em tudo com você e como sou feliz com o que sou e com o que tenho, acho que isso é maturidade e aceitação. bj

    ResponderExcluir